CORALINE | NEIL GAIMAN

27 de março de 2017



Primeiro livro de Neil Gaiman escrito especialmente para o público juvenil, Coraline é um conto de fadas às avessas que reconhece a subestimada e, por vezes esquecida, maturidade da maioria dos jovens leitores. Nele, Gaiman encara pela primeira vez o desafio de escrever fantasias assustadoras para as crianças e vai além dos tradicionais gigantes padronizados, príncipes encantados, frágeis princesas ou dragões, que habitam esse universo, criando uma personagem com a qual as crianças podem facilmente se identificar. 



Publicado pela Rocco em 2003, o livro, que chega ao cinema pelas mãos de Henry Selick (O Estranho Mundo de Jack), tem ilustrações de Dave McKean, parceiro de longa data de Gaiman. A história ganhou ainda uma versão em graphic novel, ilustrada por P. Craig Russel, que a Rocco traz para o Brasil até o fim de 2009. Cultuado escritor de histórias em quadrinhos para adultos, Neil Gaiman influenciou o mercado editorial a seguir um caminho sofisticado para atrair cada vez mais público. 

Sandman, graphic novel campeã internacional de vendas, por exemplo, cujo protagonista homônimo é o mais venerado personagem dessa seara, recebeu inclusive o World Fantasy Award, prêmio até então inédito para o gênero. A história de Coraline é de provocar calafrios. A narrativa dá muitas voltas e percorre longas distâncias, criando um "outro" mundo onde todos os aspectos de vida são pervertidos e desvirtuados para o macabro. Ao mesmo tempo sutil e cruel, o autor gosta de desafiar as imagens simples dos livros infantis tradicionais. As crianças vão se deliciar com o frio que correrá em suas espinhas durante a leitura e ficarão até agradecidas por existir um escritor que finalmente se recusa a tratar com condescendência uma plateia ávida por empolgantes contos de terror. No livro, a jovem Coraline acaba de se mudar para um apartamento num prédio antigo. Seus vizinhos são velhinhos excêntricos e amáveis que não conseguem dizer seu nome do jeito certo, mas encorajam sua curiosidade e seu instinto de exploração. 

Em uma tarde chuvosa, a menina consegue abrir uma porta que sempre estivera trancada na sala de visitas de casa e descobre um caminho para um misterioso apartamento ‘vazio’ no quarto andar do prédio. Para sua surpresa, o apartamento não tem nada de desabitado, e ela fica cara a cara com duas criaturas que afirmam ser seus “outros” pais. Na verdade, aquele parece ser um “outro” mundo mágico atrás da porta. Lá, há brinquedos incríveis e vizinhos que nunca falam seu nome errado. Porém a menina logo percebe que aquele mundo é tão mortal quanto encantador e que terá de usar toda a sua inteligência para derrotar seus adversários.


Coraline Jones, você é uma das boas. Amei o livro e não esperava menos do que isso. Tem gostinho de suspense, muita aventura - explorações - e coragem, sim. O livro tem sacadas ótimas e você se encanta (e se assusta) a cada página. Ilustrações lindas que enriquecem ainda mais toda a trama. Cenas do filme vem à cabeça a todo instante. Coraline deve ser o primeiro livro de suspense de uma criança, é certeza. O livro não é exatamente igual ao filme e isso é lindo, pois a beleza dos dois permaneceu. Leia/veja Coraline. 


Senta que lá vem problematização | Por Gabi Barbosa

5 de março de 2017



Quero pedir desculpas por não ter conseguido mandar a carta ontem, como previsto. Para compensar, já vou trazendo um assuntinho polêmico pra gente discutir bastante. Essa semana, a Helena, dona do Garotas Rosa Choque, compartilhou uma imagem de uma produção feita pelas lojas Renner no Stories do Instagram.

A Helena comentou sobre o fato de uma peça dessas não fazer sentido se não englobar todas as mulheres - afinal, nós conhecemos as lojas brasileiras: a maior numeração é o 42. Vamos combinar, eles ignoram solenemente a existência das outras mulheres que vestem de 44 para cima. Infelizmente, o mundo da moda de forma geral fecha os olhos para essa questão.
 

E, para engrossar o coro, adiciono mais uma percepção de todo esse movimento. É mais fácil vender uma camiseta escrito "Feminista" do que discutir sobre feminismo. Durante tanto tempo, ficamos com medo de nos enunciarmos feministas e as pessoas caírem matando em nossos ideais. Chamarem-nos de mal-comidas para pior. E agora, que o tema tem sido amplamente discutido (e isso é bom!), algumas lojas se apropriaram da palavra para vender.

O feminismo é um movimento tão complexo, tão multifacetado, tão cheio de pormenores que é quase impossível ter um posicionamento sobre todas as questões. Nós não sabemos de tudo, não somos donas da verdade. Estamos apenas aprendendo com o tempo, e cada vez mais percebemos que nada sabemos.

E no que, de fato, uma peça dessas ajuda na discussão de ideias?

Além do mais, para onde está indo todo o dinheiro que investimos no body? Para as costureiras é que não é. A palavra em questão foi utilizada pela "modinha", por um significado vazio de "meu corpo minhas regras", de frases prontas, e não a partir de uma reflexão sobre seu real sentido.

Não podemos ver o feminismo com os óculos da Taylor Swift. Não se trata de amar suas amigas, não se trata de vestir uma camiseta escrito "Feminist". Se trata de um movimento político e social urgentíssimo que traz à luz e procura soluções para questões como os estupros como arma de poder, o casamento de crianças e adolescentes, a mutilação genital feminina, a hipersexualização da mulher negra - e tantas outras que nem conseguiríamos terminar de redigir nessa carta.

Se estivéssemos consumindo de alguma marca que (no mínimo) paga suas colaboradoras justamente, que investe em cursos profissionalizantes, em bonificações, que pensa com cuidado na vida de quem costura cada um desses itens, que discute sobre o assunto seja internamente, seja na sua comunicação externa, aí sim poderíamos ver essa atitude com outros olhos. Porque aí ela teria um significado diferente da tendência.

Agora, como isso aconteceu numa rede de lojas tão grande como a Renner, podemos ter certeza que o movimento feminista foi esvaziado totalmente para caber na estampa de um body. E o que fica é a crença de que ele apareceu para servir um feminismo de butique, privilegiado e míope.

Então, é isso. O que vocês acham de toda essa discussão? Gostaria realmente de saber as suas opiniões. É só me responder esse e-mail para a gente bater um papo melhor! Prometo que a newsletter na próxima quinzena vai ser um pouquinho mais tranquila, sobre Carnaval - e sem problematizações, tá? :)

Beijo, Gabi.


Recebi esse correio da Gabi Barbosa, que é uma mulher massa que há uns tempos leio e vejo as coisas dela nessa querida internet. Acho que vale a pena compartilhar o que ela escreveu aqui pra vocês nesse mês tão importante e cheio de significado pra nós, mulheres.

AMANHÃ É CARNAVAL

26 de janeiro de 2017


Amanhã é carnaval e você vai estar suando por dentro, vai pensar em ir para abertura no Recife Antigo à noite mas logo em seguida vai desistir porque queres teu corpo por inteiro. Teu olho abrirá mais cedo que o habitual na manhã de sábado. E abrirá porque mandaste ele abrir juntamente com um sorriso

O café, o pão com tudo dentro e os dois copos de água deverão ser devidamente ingeridos para suportar teus pés. O espelho acordará com glitter e uma moda autoral. Vais tentar sair de casa com levezas mundanas pra encontrares pesos afáveis. Jogarás tua alma nas ladeiras de Olinda e pedirás com os olhos para que os outros o façam também. 

Você irá tocar peles desconhecidas e conhecerá a fundo todas elas, por um segundo. Sentirá o nojo e o desejo de estar ali. Cairás com o álcool da carne e se lambuzarás de línguas inquietantes. Chorarás com o hino da cidade e vais pensar na felicidade passageira e no ridículo da vida, mas amarás para sempre essa sensação. Provavelmente irás brigar contigo e com todo mundo porque as ruas de Olinda são atemporais. 

E ao fim do dia,  tu existirás mais que ontem, porque ao ires embora já não és mais o mesmo. Amanhã é carnaval e você vai estar suando por dentro.

COLEÇÃO FLYGRL | MELISSA SWAP | #ACEITA

22 de janeiro de 2017


No dia 22 de janeiro, conhecemos a convite da Melissa a nova coleção de inverno 2017, a FLYGRL. Ela evidencia o poder feminino independente de gênero, deixando claro que cada um é único e ser estranho é maravilhoso. Reafirmou o conceito do 100% REAL PLASTIC, não utilizando recursos animais em sua produção e mostrou o motivo de ser tão importante na cultura contemporânea. A Melissa mais uma vez afirmando que ela é moda, arte e designer e que ser feminino é importante, sim.

             

O evento aconteceu no Restaurante Papa Capim, em Boa Viagem e contou com a presença de lojistas e melisseiras de coração. Tivemos um café da manhã regional e muita conversa boa antes do show de novidades da marca. Vem muita coisa por aí que vai causar



Tivemos um momento ótimo de muita conversa e a cada momento ficamos mais encantadas com os conceitos da nova coleção da Melissa.




@souza_rozana | @olhosverdesue | @paty_mellisseira1 | @blogtamyximenes | @blografaschmiidt | @blogshetalks

@blogtamyximenes | @blogshetalks

Camisa: Renner | Calça: C&A | Bolsa e sandália: Melissa

Um agradecimento especial a Camila Gomes do Blog Seis Por Meia Dúzia que tirou fotos lindas do evento, além de ser uma fofa. ♥


APP MELISSA SWAP



Também conheci o APP MELISSA SWAP, o aplicativo da Melissa que juntou tudo em um lugar só. Veja só o que a Melissa diz sobre ele:

A gente sabe que os grupos das nossas fãs se espalham pelos canais sociais. Tem gente que quer fazer novas amizades, pedir dicas de look, trocar uma ideia – e, principalmente, Melissas. Foi pensando nisso que lançamos o aplicativo Melissa Swap

Simplificamos esses grupos em um só lugar: na palma da sua mão. Com o app você pode trocar ou vender suas Melissas para outras fãs que estão pertinho. Dá pra procurar por tamanho ou modelo, e também conversar com elas em um chat privado.

Já pensou reencontrar aquele modelo que já saiu de linha? Ou quem sabe renovar o estoque?

Ah, e no Melissa Swap você ainda pode localizar o Clube Melissa mais próximo de você.  Vem fazer parte da crew. Baixe o aplicativo gratuito. Disponível para IOS e Android.




Quem amou? ♥


Se quiser saber mais sobre o App, veja esse vídeo explicando mais ou menos sobre como utilizar o aplicativo.


 
 
Ontem Escrevi © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo :: design e código gabi