Para mim, sobre você

8 de abril de 2015

(via)
Com esse rosto enrugado pela juventude e solidão, não te condeno mais por ser você. Você soube desfrutar dos anos de ruas cheias e abraços intencionais. A culpa é da outra pessoa que só viu uma esquina vazia em ti. 

Esse teu medo calado vai se apagando com o horror engraçado das acusações do outro. Não aponta pro teu peito a discrepância de não ser feliz e joga esse teu afago pra quem consegue sentir. 

Te liberta dos anseios de entendimentos e amores temporários e tenta fazer amor contigo uma vez. Julga àquele outrem de não saber o significado de uma mão na outra, e descansa esse cansaço de cansar.

Bate na porta e berra pro abismo abrir pros males divinatórios, aqueles que almejam te levar junto nessa comédia satírica.

Avisa por meio de sinais que és a mesma e que o outro sempre foi outro.
Não te reprovo pelas atitudes chorosas que me perguntei respondendo-me em seguida. Você soube o tempo todo de você. Você só não soube o que eu de fato quis te dizer: eu sou você.

Sobre mim, para você.

1 comentários:

 
Ontem Escrevi © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo :: design e código gabi