Dilma é verbo

30 de agosto de 2016

(via)
Virou palavra gratuita nas vozes dos outrens. Virou discurso choroso na cantoria de quem vem de lá. Transformou em sinônimo de amar e sofrer. Quem a pronuncia erroneamente censura um país de achismos. Há quem a chame pelo certo querendo ser eterno. Há quem não a chame tapando utopicamente os ouvidos de sangue. Palavra amarga na ditadura do amor livre. Palavra sincera na liberdade do abraço.

És a ferida aberta pra uns. És o piedoso romance de uma página rasgada para outros. És o mendigo que sorri por beijos partidos. És o peito nu da mulher na rua.És a canção que escorre em nossa lágrima. És a criatura solitária mais cheia do mundo.
Dilma é verbalizar.

Dilma é o verbo. O resto é advérbio.

0 comentários:

Postar um comentário

 
Ontem Escrevi © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo :: design e código gabi